Categorias:




Quem não viu o estrago que os temporais estão fazendo no RS? As notícias dominam as redes sociais e noticiários e eu como moradora aqui da capital do estado estou sim muito abalada com tudo o que aconteceu.

Só quem mora por aqui (no estado) para saber o medo que enfrentou, que sabe o trauma deixado (depois dos temporais difícil não ficar apreensivo quando o tempo nubla ou quando vem um ventinho). Mas deixando um pouco de lado o que foi destruído e as pessoas que estão desabrigadas, vamos olhar tudo o que aconteceu por outros ângulos. 

Rio Grande do Sul: vítima do tempo. Será? Acredito que não, o Rio Grande do Sul foi apenas o local onde pessoas que não são vítimas de nada moram, isso sim. Engraçado que quando algo ruim acontece, tipo fúria da natureza, tudo mundo é vítima mas quando o tempo está bom e as pessoas jogam lixo nas ruas, contaminam os rios com sacos de lixo, quando não economizam água, quando consomem sem controle (não lembrando que tudo o que comemos e usamos vem da natureza)... aí nesse caso todo mundo é certinho né? Ninguém é vítima de nada não!! A fúria da natureza aqui no RS tem justificativa: a natureza reagindo aos maus tratos das pessoas, de nós todos!!!


Ninguém se olha mais nas ruas, ninguém cumprimenta ninguém, sorrisos são encarados com desconfiança, é todo mundo fechado dentro de suas casas evitando qualquer contato com vizinhos, são pessoas que se negam a perdoar uma ofensa, uma atitude impensada que outra pessoa fez para ela, ninguém esta preocupado com natureza, o bom é shopping, afasto, concreto...ninguém mais planta uma árvore, uma flor, ninguém mais quer curtir a natureza. O planeta tem vida gente, não duvidem não, o solo que pisamos é um ser vivo, o ar, a água, as árvores, plantas...são seres vivos simmmmm e a maioria não nota só porque eles não conversam com a gente...ou será que conversam? Os temporais será que não foram uma conversa ríspida deles conosco?

Onde moro ficou 30 hrs sem luz na semana retrasada, devido um temporal feio (e qual não foi feio né? dãaa), bom..tirando a parte triste do que foi destruído essas 30 hrs sem luz até que foram bonitas de ver, sabe porque? Porque no meu bairro algumas ruas ficaram sem luz, tipo a minha, mas ruas ao lado dessas sem luz, tinham luz. Adorei ver vizinhos que não se olhavam se obrigando meio que sem jeito a compartilhar as notícias do que tinha acontecido, do tamanho da tragédia e de quanto tempo íamos ficar sem luz. Pessoas que moram lado a lado tiveram que falar meioo baixinho, de forma desengonçada, que a tampa da caixa d'água do vizinho ao lado estava quase caindo e ainda pediu mil desculpas por avisar já que o dono da caixa d'água não consegue ver a tampa de dentro de seu próprio pátio. Foi ainda mais lindo e divertido ver os vizinhos de ruas diferentes e inimigos mortais, terem que baixar a cabeça literalmente e pedir uma tomada emprestada para carregar o celular, um chuveiro, e até um cantinho na geladeira para guardar principalmente as carnes afim de não estragar. Ameiii ver esses inimigos mortais ajudando um ao outro.








E ai pergunto: vale a pena viver tão isolado? Conseguimos viver assim tão isolados? Vale a pena criar ódio das pessoas? Povooo meuuu, abram os olhos!!! Não vivemos sozinhos!!! Precisamos uns dos outros!!! O inimigo nosso de hoje talvez seja a única pessoa mais próxima capaz de nos ajudar num momento tenso como os de revolta da natureza!! Não estou dizendo no entanto para virarmos melhores amigos de quem nos magoa, machuca, ofende...mas quando alguém fazer algo do tipo com nós, vamos apenas deixar de conversar com essa pessoa, porém vamos continuar cumprimentando e respeitando mesmo que essa mesma pessoa em algum momento não tenha nos respeitado. Porque em dia bom, com tudo tranquilo até podemos escolher a quem pedir ajuda, mas amigoss....quando a mãe natureza entra em ação ai não tem para ninguém nãoooo e se ela quiser deixar a gente isolado só com nosso inimigo ao lado ela saberá sim como fazer isso.  Quando a coisa aperta ai sim até a pessoa mais orgulhosa do planeta chora e pede ajuda. 

Podemos sim até ser auto suficientes, orgulhosos, mas deixa sua casa cair, deixaa você entrar numa sinuca onde sua vida fica em risco de sumir da face da Terra, deixa... ai não tem orgulho, não tem machão, não tem mulher auto suficiente, não tem pessoa perfeita que não se borre de medo e peça ajuda até para santos que não existem e até abraça e beija a pessoa que tanto odeia... Aham, é nessas horas que nos vimos como realmente somos: frágeis, fáceis de quebrar, seres que necessitam sim da natureza e da ajuda das outras pessoas. 



Por isso que digo que não fomos vítimas de nada, fomos sim alvos da nossa própria arrogância, desrespeito a natureza, orgulho. Desejo que todos nós, "vítimas" dos temporais ou não, desejo que a gente pense melhor no que nos tornamos e em como tratamos as pessoas que um dia, podem salvar a vida da gente.


Aurora




7 Comentários

  1. Olá Aurora,

    Achei demais da sua crônica, as situações são tristes, mas concordo plenamente, todos estão colhendo o que estão plantando, é necessário abrir os olhos e tomar uma atitude...bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nessa! Tudo bem? Nossa, adorei sua crônica! É realmente muito triste essa situação que o Rio Grande do Sul está passando... :/ Ah, respondendo sua pergunta: não vale a pena viver tão isolado! Parabéns pelo texto! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/2015/10/resenha-premiada-muito-mais-que-5inco.html <- Tá rolando promoção do livro "Muito Mais Que 5inco Minutos" lá no blog! ;)

    ResponderExcluir
  3. Posso te confessar algo vergonhoso? Eu nunca tinha pensado por esse ângulo quando as pessoas estão perdendo seus bens, estão se virando nos 30 pra sobreviver a um temporal. E o pior é que realmente é só a natureza reagindo à uma ação feita pelo homem. Como é que as consequências poderiam ser diferentes se nós fazemos cada "cagada" pra prejudicar tudo. Como é que eu não vi por esse ângulo antes, como?
    Toda ação gera uma reação e até na hora em que as pessoas estão à loucura tentando sobreviver aos vendavais, chuvas, falta de energia. Colhendo o que plantou... =(
    30 horas sem luz? OMG eu confesso que não saberia o que fazer. Teria medo porque provavelmente, aqui em Campo Grande, seria a oportunidade de algumas má influências roubarem os outros. Já não tem jeito, estamos mesmo perto do fim....

    Adorei o seu post, Nessa. E sinto vergonha por não ter visto as coisas dessa forma.
    :*

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da crônica.
    Muitas coisas que sofremos são fruto das nossas ações sim;
    Mesmo assim, acredito que é possível!
    Muito legal a reflexão.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  5. Olá, Aurora.
    Adorei sua crônica. Pois não é o que penso. Aqui onde mror, estamos sofrendo coma falta de água, mas as pessoas não podem ver uma aguinha que já sai jogando ela no quintal. vbai entender. Só estamos pagando pelo que fizemos. E imagino como ficou as pessoas dependentes de internet, sem ela todo esse tempo.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Gostei da crônica Aurora. Fomos criados neste mundo para viver em harmonia com o ambiente e com as pessoas que nos cercam, mas infelizmente só nos damos conta da nossa real missão em meio a uma calamidade. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, Aurora! É nessas horas de tensão, onde um desequilíbrio natural retira de nosso ambiente algum fator do qual somos acostumados (e viciados) como energia elétrica que nos deparamos com a nossa essência e fragilidades humanas. Moro também no Estado do RS e fiquei mais de 48 horas sem energia elétrica devido a um forte temporal. Sabe o que eu aprendi nesse tempo sem energia elétrica? Que é maravilhoso ficar em família, apenas conversando, sem TV ligada, sem tablet ou celular. Damos mais valor ao diálogo, os dias ficam mais silenciosos sem os aparelhos elétricos, as noites ficam propícias a um sono melhor. Como você destacou, a solidariedade que nasce em dias de dificuldade aparece onde a gente menos espera. Nessas horas, aquele vizinho que não é muito simpático com a gente se oferece para ajudar. Como diz a espiritualidade: "nós nunca saberemos onde nossos pés tropeçarão." Portanto, não custa nada perdoar os nossos desafetos e aprendermos a pararmos de julgar os outros, pois nunca saberemos quando uma dificuldade pode nos unir. Qdo vemos uma notícia de aquecimento global na TV, associamos às catástrofes naturais a países distantes. Mas a partir do momento, que "sentimos na pele" o desequilíbrio natural atingir nosso país, nosso estado, nossa cidade, começamos a mudar de postura. Parabéns pela postagem! Grande abraço! Taty http://tatycasarino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário!