Categorias:


Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Hoje vou comentar com vocês sobre uma leitura que eu fiz para faculdade. Neste semestre estou fazendo uma cadeira que é "Literatura e Biblioteconomia", e nesta aula estou aprendendo muita coisa de literatura e conhecendo muitos autores. Durante o semestre terei que fazer algumas leituras e este livro é o primeiro.


A Mãe
Maximo Gorki

Sinopse
Este romance é um retrato dramático e fascinante da luta revolucionária vista a partir da ótica familiar e do mundo dos trabalhadores. Baseado em fatos reais ocorridos nas fábricas de Sormovo, na Rússia tsarista, onde Gorki conheceu o operário Zamolov (Pavel Vlassov no livro), militante revolucionário, e sua mãe, Anna (Pelagueia Nilovna no livro, que se dispõe à arriscada tarefa de distribuição de panfletos), protagonistas das manifestações do ?1º de Maio? de 1902, nessa cidade, e da conseqüente prisão e julgamento dos envolvidos. Profundo conhecedor da cultura, dos falares, das gírias, dos costumes, das crenças e descrenças do povo russo, essa situação possibilitou-lhe escrever obras clássicas para a literatura mundial. Poucas obras despertaram tanto entusiasmo político em jovens militantes quanto A mãe.
Compre: Amazon 

A história tem como pano de fundo o contexto do século XX na Rússia, no tempo do Czar Nicolau II, trazendo presente a vida das famílias na época em que os homens trabalhavam nas fábricas, uma vida difícil e sofrida, e depois de um dia de trabalho chegavam em casa e agrediam as esposas.

Outro contexto interessante que o livro traz presente são as manifestações do primeiro de maio de 1902.

Dentro deste contexto conhecemos o Mikhail Vlassov, ele levava essa vida de trabalho, chega em casa cansado, agride sua esposa Peláguea Nilovna e tem pouco contato com o seu filho, o Pavel. Mikhai é um homem rude, grosso, e é conhecido por essas características por todos, até que um dia ele tem uma doença e prefere morrer do que ir ao médico se tratar.

Peláguea e Pavel seguem a vida, e aos poucos o jovem vai mudando, crescendo e amadurecendo. A mãe percebe que o filho está diferente, ele trabalha e quando chega em casa vai para o quarto ler. Todo o tempo que Pavel está em casa ele está lendo, até que a mãe resolve perguntar que tanto ele lê, e ele explica que está lendo livros proibidos. Pavel está em busca da verdade, ele percebe tudo de errado que está acontecendo ao seu redor, e ele quer mudanças, quer lutar pelos seus direitos, uma vida melhor.

Peláguea tem medo, não consegue entender o que o filho quer. Pavel começa a participar de grupos, se reúne com jovens que tem o mesmo pensamento que ele, e todos começam a frequentar a sua casa. Aos poucos Peláguea vai se afeiçoando aos amigos do filho, e se sente a mãe de todos.

O futuro de Pavel já estava traçado, ele quer seus direitos e quer que todos lutem com ele. Panfletos começam a surgir induzindo as pessoas a lutarem pelos seus direitos, e em consequência disto ele vai preso pela primeira vez sendo acusado.

Peláguea começa entender os objetivos do filho, a política, e começa a lutar e a ajudar o grupo. Ela tem medo do que possa acontecer com o filho, mas quando percebe que ele precisa de sua ajuda na luta, ela segue fazendo o que Pavel estava fazendo antes de ser preso, ela continua distribuindo os panfletos. Logo Pavel é solto, mas ele não desiste e continua com seus ideais.
Juntos os dois lutam, seguem com os seus objetivos, os dois acabam separando-se, e começam a sofrer as consequências dessa revolta, dessa luta.

Peláguea de mulher frágil, passa a ser uma mulher forte, guerreira, dona de si e livre. De mãe de Pavel, ela passa a ser a mãe da revolução, e assim nos mostrando a importância e a força da mulher, e também nos mostrando tudo que uma mãe é capaz de fazer por um filho. 

O livro é muito interessante, confesso que eu não o leria se não fosse uma leitura da faculdade, mas eu curti a leitura, gosto de livros que tratam de fatores históricos. Indico o livro para quem gosta de livros com essas temáticas.

5 Comentários

  1. Olá, Vanessa.
    Geralmente quando fala que tem que ler algum livro, a gente já fica achando que vai ser ruim. Não conhecia ele ainda, mas me interessou. Gosto de livros que abordem temas históricos. Eu leria ele sim.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha Nessa. Essa tez revolucionária do livro foi o que acabou acabou chamando a minha atenção. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa estou conhecendo o seu blog hoje, e sei como é esse tipo de leituera obrigatória da faculdade, pude ler capa palavra da sua resenha e seria um livro que eu leria sem dúvidas, a começar pelo conteúdo interessante que este livro proporciona, fora que é um excelente livro para futuros trabalhos acadêmicos!
    Beijos

    http://caprichadissimas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Nessa! Tudo bem? Ainda não conhecia o livro, mas gostei de conhecê-lo. Adorei a capa dele e seus comentários conseguiram despertar meu interesse para lê-lo! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa, eu nunca tinha ouvido falar neste livro...
    Não é bom quando somos surpreendidos por uma leitura inesperada e que nos agrada muito? Isto as vezes acontece comigo também.

    Bj, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário!