Destaques

Newsletter

19 janeiro 2018

Crônica: O oposto do protagonista

Olá leitores e amigos!! Como estão todos? Curtindo as férias ou não? Postando tudooo sobre as viagens, sobre o que estão fazendo nesse verão (verão tenso, pelo menos aqui no RS)?
Aliás: vocês possuem Instagram, canal no Youtube? Como vocês lidam com o querer seguidores? Hoje trago um bate papo sobre dois lados desse mundo virtual. 

Não esqueçam claro, de seguir a equipe aqui do blog no Instagram: @nessaleitora @cotonho72
@insta.nandarocha

E de clicar no play (quem estiver em local que seja possível ouvir uma musiquinha claro, hehehe).

****
O oposto do protagonista

Imagem relacionada
Ser protagonista no sentido de ser uma pessoa pública, principalmente hoje em dia e na internet é bom demais. Ter um blog bombando, um canal no Youtube cheio de inscritos, ter o Instagram sendo seguido por diversas pessoas com certeza é animador. Quem não gosta de receber carinho das outras pessoas, de saber que há fãs pelo mundo afora que gostam do seu trabalho mesmo que ele não seja tão gigante quanto de artistas milionárias, ser reconhecido, receber inúmeras mensagens... é bom sim. 

Mas essas pessoas possuem também desafios como: ter criatividade de sempre ter ideias novas para gravar vídeos para o Youtube, gravar esses vídeos e editar, programar as datas de ir ao ar, se tiver blog...programar o conteúdo dele, responder comentários, fazer parcerias, dar conta dos contratos de parceria, ver o que as pessoas que se interessam por sua vida querem saber e selecionar o que vai divulgar a elas ou não, postar seu dia a dia no Instagram (nem sempre é fácil registrar tudo), fazer vlogs. E detalhe, esses desafios podem vir com um detalhe: quando a conta bancária começar a crescer com tudo isso...todo esse conjunto de coisas é um mundo atrativo sim.

Mas hoje venho provocar a reflexão do outro mundo oposto a este: os dos mais discretos, dos nem tão atarefados com vídeos para Youtube, com postagens no Instagram. São pessoas que com certeza analisam mais. Sobra tempo que pode ser convertido em outras inúmeras tarefas e estas nem sempre precisam ser feitas correndo devido ao vídeo que precisa ser editado e ido ao ar até o outro dia.
Imagem relacionada
Ser protagonista nem sempre é bom pois eles nem sempre tem tempo de observar o mundo e aprender. Quem observa em silêncio pode aprender mais, aprender coisas que só são notadas por pessoas que conseguem estar do outro lado da loucura frenética de ser o centro das atenções.

Um protagonista quando viaja, muitas vezes faz com o notebook no colo pois tem que editar vídeos, tem que responder comentários, tem que responder o e-mail da nova parceria ... o oposto do protagonista não precisa de nada disso, ele pode sim é aproveitar a viagem lendo um livro, vendo um filme, dormindo, conversando com alguém, escutando música e se for viagem de ônibus pode ainda observar os lugares lá fora, observar as cidades em que passam.

Um protagonista normalmente registra o que come, as atividades físicas, o que fez no dia... o oposto pode registrar algo somente quando quiser, pode se preocupar somente em fazer todas as atividades programadas para aquele dia. 

Um protagonista costuma estar com a aparência mais ou menos em ordem, afinal, a câmera do celular está sempre sendo requisitada seja para fotos ou vídeos ou stories no Instagram... o oposto muitas vezes deixa a câmera cansar de estar parada e pode ficar um dia inteiro em casa com os cabelos estilo "dedinho na tomada". 
Resultado de imagem para redes sociais
Um protagonista muitas vezes precisa fazer cursos para aprender o que o oposto aprende apenas observando. Um protagonista muitas vezes releva muito de sua vida e isso traz também energias ruins além das boas claro, o oposto pode fazer segredo de tudo e só divulgar se quiser pois não terá fãs solicitando saber mais dele.  

Essa reflexão eu tive em uma viagem de ônibus que fiz em Dezembro de 2017. Muitos podem detestar viagens de mais de 2 horas de bus mas eu amoooo. Para mim estar na estrada não é problema, não é cansativo por mais que a viagem dure umas 12 horas. Eu amo estar na estrada, sempre gostei...não me perguntem porquê. E nessa viagem eu refleti sobre tantas coisas e ao notar que eu não estava mexendo no celular, não estava com notebook (até porque este deixei em casa), quando vi que eu estava apenas observando a estrada...me veio esses pensamentos sobre o lado oposto do protagonista e em como é bom sim não ser o centro das atenções. 

Por isso pessoal chamo atenção sobre o idolatrar youtubers e blogueiras cheias de seguidores, sim esse mundo pode ser atrativo mas não ser o centro das atenções desse mundo também pode ser bom. Se você já tentou ter seu canal e blog bombando, para você que está afim de se tornar Youtuber ou blogueira porque acha lindoooooo: pensem bem, não é todo mundo que está disposto a abrir mão da privacidade, de trabalhar dia e noite e nunca ter descanso, até porque mesmo nas férias esse povo está gerando conteúdo. 

Não há nada de errado de ser apenas a seguidora / o seguidor, não há nada de errado em apenas ser mais alguém que comenta em todos os posts e videos dessa turma. O lado "de cá" também tem inúmeras vantagens, ser discreto também pode ser atrativo, não ser o centro das atenção também pode ser enriquecedor. Pensem nisso. 

Fernanda Rocha

17 janeiro 2018

Top 5: Livros para Ler nas Férias

Oi meus amores, tudo bem com vocês? Estão aproveitando as férias para por em dia as leituras? Então, é sobre isso que vamos falar hoje, livros gostosinhos de ler nas férias, e hoje eu indico 5 livros, espero que vocês gostem.

1. Releitura de contos
Este livro é uma fofura, além de ter um enredo super gostoso de ler. Foi um dos meus favoritos ano passado e é uma ótima pedida para as férias

2. Romance de Época
Para quem curte o gênero ele é um livro leve e gostosinho de ler, e aqui eu indico os livros da Julia Quinn que além de romance tem muito humor. Como se casar com um marquês é um dos meus favoritos e eu super indico.

3. Biografias ou Não-ficção
Quem me conhece sabe que eu não leio muito biografias, mas tem alguns livros em especial que eu dou uma certa atenção, principalmente quando eu sou fã. Isso aconteceu com este livro da Shonda, eu adoro as séries que ela escreve e fiquei curiosa por este livro. Gente, o Ano em que disse sim, foi o ano em que a Shonda se propôs a dizer sim para tudo que ela antes dizia não e isso mudou muito a vida dela. Ela retrata várias coisas interessantes neste livro e nos faz refletir sobre a vida. Leitura recomendada.

4. Chick-lit
Minha autora favorita dos chick-lits é a Sophie Kinsella, qualquer livro dela é perfeito para se ler nas férias. "Minha vida não tão perfeita" foi o último livro que eu li dela ano passado e eu amei. Além de romance, as protagonistas são sempre engraçadas, atrapalhadas e o enredo é ótimo. Vale muito a leitura.

5. Séries ou trilogias
As férias também são ótimas para concluir aquela série que está encalhada. No meu caso eu estou lendo "Corte de Névoa e Fúria" (quem sabe eu leia até o terceiro livro), pretendo terminar o quinto livro de HP "Harry Potter e a Ordem da Fenix" e o segundo livro da trilogia As crônicas de amor e ódio "The Beauty Of  Darkness". Recomendo a leitura de todos, pois são livros muito bons.❤

E vocês, o que estão lendo ou pretendem ler nestas férias?

16 janeiro 2018

Resenha: Anne Frank: a biografia ilustrada

Oi meus amores, hoje vou comentar sobre o livro "Anne Frank: a biografia ilustrada" publicado pela Quadrinhos Cia.

Acho que todo mundo já ouviu falar sobre a Anne Frannk e seu diário. Eu sempre tive curiosidade para ler algum livro sobre ela, mas nunca tive a oportunidade, então quando vi esta HQ percebi que tinha chegado a hora de conhecer mais sobre ela.

Como eu adoro Histórias em Quadrinhos fiquei bem animada para ler, claro que aqui a história é bem resumida, mas traz presente todo contexto histórico e a vida de Anne Frank. Eu gostei tando do livro que fiquei com vontade de ler um livro mais completo sobre a história dela.

O livro foi escrito por Sid Jacobson e Ernie Colón através do acesso total aos arquivos da Casa de Anne Frank, em Amsterdam, eles realizaram uma pesquisa intensa sobre a vida dela e o contexto histórico. O livro ficou lindo, ilustrado pelo Ernie Colón

Resumidamente esta HQ conta a história da vida de Annelies Marie Frank, do seu nascimento, em junho de 1929, até sua morte precoce, em março de 1945, de tifo, no campo de concentração de Bergen-Belsen. Em julho de 1942, Anne, seu pai, Otto, sua mãe, Edith, e sua irmã mais velha, Margot, passaram a viver em um esconderijo em um prédio de Amsterdam para escapar dos nazistas que ocupavam a Holanda durante a Segunda Guerra Mundial. Lá, escreveu a maior parte do diário que se tornaria, nas décadas seguintes, o mais célebre testemunho dos horrores do holocausto.

Gostei muito desta HQ porque além da história ela nos mostra fotos reais  da Anne Frank e sua família. Nós podemos sentir ao longo da leitura o que ela viveu, os sofrimentos dela e de sua família, e também conhecer sonhos dela que eram ser jornalista e escrever um livro.

Já li vários livros que retratam este contexto histórico, bem como a perseguição que os Judeus passaram, mas ler sobre alguém que passou por isso realmente, é emocionante, os sentimentos são palpáveis e muito triste.

Aqui temos só uma pincelada do que ela escreveu no seu diário, mas já deu para perceber o quão profundo é com frases impactantes que para uma menina da idade dela nos mostram como ela via aquela realidade.


Como vocês puderam ver o livro está impecável, os traços das ilustrações são lindos. Gostei muito de conhecer mais sobre a Anne Frank e fiquei com vontade de ler um livro sobre ela mais completo.

É angustiante ler sobre este contexto histórico, mas ao mesmo tempo é uma história que nos mostra a coragem e a garra de uma menina diante da real situação que estava vivendo, e em nenhum momento ela parou de sonhar ou de lutar pelo que queria. É uma lição de vida.



Instagram

© Diário de Incentivo à Leitura – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in