Destaques

Newsletter

16 janeiro 2020

Resenha: Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Oi pessoal, tudo bem? Hoje vou falar sobre a minha última leitura que foi o clássico inglês Orgulho e Preconceito da autora Jane Austen publicado pela editora Pé da letra.

Resolvi fazer a releitura do livro quando comprei esta linda edição. Para quem gosta de romance de época é uma leitura obrigatória ler os livros da autora. 

Jane Austen escreveu este livro em 1797, mas foi publicado somente em 1813, uma época em que todo homem solteiro e rico precisava de uma esposa. 

A história começa quando um jovem muito rico o Sr. Bingley e seu primo Mr. Darcy alugam uma propriedade perto da casa da família Bennet. A Sra. Bennet fica empolgada com a chegada dos rapazes, afinal ela tem cinco filhas para casar, Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Logo, ela faz o Sr. Bennet ir visitar os rapazes e lhes convidar para jantar.

Como o esperado, Bingley se encanta por Jane, e parece que tudo está dando certo, até eles irem para Londres sem nenhuma explicação. Jane fica arrasada, mas nutre esperanças que um dia ele volte. Já o Mr. Darcy não causa boa impressão, Lizzy acha ele muito orgulhoso e arrogante e cada encontro é como se os dois não se suportassem. Mas claaro que o ódio vem a virar amor e com o passar do tempo os sentimentos começam a mudar.

Junto com toda esta situação a família Bennet passa por uma fase meio complicada, se o Sr. Bennet vir a falecer seus bens serão todos passados para seu sobrinho, já que o Bennet não teve nenhum filho homem. Então, tudo que a família quer é arranjar bons casamentos para filhas para que não passem necessidade no futuro.

No meio de tudo isso a filha Lydia foge com um rapaz que não tem um bom caráter, isso causa um alvoroço na família, se ela não casar ficará com a reputação manchada, sem falar nas irmãs e na família que vão ficar mal faladas. É a maior confusão e é nesta hora que o Mr. Darcy mostrará que ele não é tão ruim o quanto parece.

Nenhuma descrição de foto disponível.
(Foto: Livraria e Cafeteria Iluminura, onde comprei o livro).

O que mais gosto nesta história é de ver uma protagonista que está a frente do seu tempo, Lizzy não é como as outras mulheres, ela tem outra opinião sobre as coisas, é uma mulher forte e decidida, não se importa com o que os outros vão falar.

É uma história muito gostosa de ler, com todas as características dos costumes da Inglaterra do século XIX, uma época em que as mulheres não tinham muita escolha a não ser se casar, ter filhos e cuidar da casa.

Preciso ressaltar que esta edição de Orgulho e Preconceito está maravilhosa. A capa é linda, em capa dura, os cortes do livro são em cor roxa combinando com as cores das flores e ao longo da história temos diversas ilustrações.🌺

Como mencionei antes, eu já havia lido este livro há um tempo atrás e já assisti ao famoso filme. Ainda que eu tenha gostado da história, meu livro preferido da autora continua sendo Emma.

Indico o livro para todos que gostam de um bom romance de época

10 janeiro 2020

Resenha: Drácula - Bram Stoker

Oi meus amores, tudo bem com vocês? Hoje vou falar de um clássico da literatura irlandesa, Drácula de Bram Stoker publicado pela Darkside.

Sempre tive curiosidade para ler este livro, ainda mais sendo um clássico aclamado da literatura. Apesar de ler pouco do gênero, gosto de histórias com vampiros e de todo mistério que permeia a história.

Confesso que fui pega de surpresa porque não imaginei que eu fosse gostar tanto deste livro, como eu gostei. Me vi totalmente envolvida na trama, as páginas literalmente voaram.

Bram Stoker publicou a primeira versão do livro em 1897, foi adaptado para o teatro, cinema, quadrinhos, brinquedos e séries. E no mercado literário temos diversas edições publicadas. Faz parte dos clássicos de terror e para quem curte histórias de vampiros é uma leitura obrigatória.

A história é toda escrita em forma de diário pelos principais personagens, eles escrevem para não esquecerem dos fatos. Além disso, a história também é escrita em forma de cartas, notícias de jornal e telegramas. A história começa com o advogado Jonathan Harker sendo enviado para realizar um trabalho na casa do conde Drácula. Ele nem imagina o que o espera e seu papel lá é ajudá-lo a comprar uma propriedade. Mas o grande horror é quando Jonathan percebe que ele é um prisioneiro e começa a bolar um plano para fugir de lá.

Neste meio tempo acompanhamos outras situações estranhas que estão ocorrendo e tudo leva a acreditar que é o Drácula que está por trás de tudo. Por meio de cartas Jonathan se comunica com as esposa Mina. Mina tem uma amiga  a Lucy no qual também se correspondem, e o Dr. Seward e o Dr. Van Helsing, os médicos que tentarão desvendar os mistérios da marca no pescoço de Lucy e sua doença. 

Drácula é um personagem que cativa, fiquei admirada, porque ele não é do tipo que dá medo, não comigo pelo menos. Ele é inteligente, estudado e a cada passo que dá é tudo bem pensado. Ele desperta durante a noite e claro dorme durante o dia. Se alimenta de sangue para se manter forte, não come nada de alimento e tem o poder de se transformar em lobo, morcego, fumaça, caminha pelas paredes, entre outros poderes. Todo aquele que for mordido pelo Drácula vira um desmorto e aos poucos se transforma em vampiro. Para matá-los é preciso cravar uma estaca no peito, cortar a cabeça e encher a boca de alho.

A escrita de Bram Stoker é perfeita, impossível não se envolver com a história. Li freneticamente o livro até descobrir o seu desfecho. É o tipo de livro que indico não só para quem gosta de terror, mas para quem curti uma boa história de mistério. (Gente, este livro não dá medo, foi o que senti).
Agora para tudo pra ver esta edição maravilhosa da Darkside. Escolhi esta edição porque amei esta capa, e os cortes do livro são velhos. Além disso, no final encontramos um conto, um capítulo que foi retirado da história, não sendo publicado na primeira versão e depois da morte do autor foi publicado como um conto. E também contém resenhas, comentários e escritos do próprio autor enquanto escrevia o livro. Vale ressaltar que o livro tem diversas ilustrações que complementam esta linda obra realizada pela Darkside Books
❤ ❤ ❤ ❤ ❤

06 janeiro 2020

Resenha: O Diário de Nisha

Oi meus queridos, tudo bem com vocês? Desejo um Feliz Ano para todos nós, repleto de ótimas leituras💖

Hoje vou comentar com vocês sobre a minha primeira leitura do ano, na verdade eu terminei de ler ele este ano, pois já estava lendo ele no final do ano passado.

A resenha de hoje é sobre o livro O diário de Nisha da autora Veera Hiranandani publicado pela Darkside Books que faz parte do selo DarkLove.

A história é  em formato de diário e narrada em primeira pessoa por Nisha, uma menina de 12 anos. Nisha tem um irmão gêmeo, o Amil. Quando os dois nasceram a mãe deles morreu, por isso moram com o pai que é médico e com Kazi o cozinheiro. Eles moram na Índia, e tudo indica que são Hindus, apesar que a mãe deles era muçulmana.
Nisha é uma menina que não fala, mas ao ganhar de presente de Kazi um diário ela começa a escrever tudo que se passa com ela e sua família, como ela se sente em relação a política e como ela vê as situações ao seu redor. No diário ela escreve como se dirigindo para a mãe. É palpável a tristeza que ela carrega por não ter convivido com a mãe.

A história se passa em 1947 quando ocorre a Partição na Índia. Entre os dias 14 e 15 de agosto de 1947 a Índia se tornou independente do governo inglês e foi dividida em duas repúblicas, Índia e Paquistão. Houve uma tensão religiosa entre Hindus e Muçulmanos até chegarem a este acordo.

Nisha por ser Hindu vai ter que sair da onde mora e ir para o outro lado da Índia e onde ela morava agora é o Paquistão, ficando somente os muçulmanos. De uma hora para outra eles vão ter que atravessar a cidade e ir para Jodhpur. Eles passam fome, sede além de correm perigo de vida na travessia da fronteira.

Tudo isso acompanhamos pelo olhar de uma menina de doze anos que não entende porque as coisas tem que ser assim, porque ela não pode mais morar na sua casa e porque o país está se dividindo? Tudo que ela quer é ter uma amiga, uma vida normal.

A história é muito comovente, é o tipo de leitura que é rápida por ser escrita em forma de diário e os capítulos são curtos. É triste acompanhar a jornada desta família e o quanto a vida deles muda por conta desta situação. Mas apesar disso, tudo que queremos é chegar ao fim do livro para ver se Nisha e sua família vão conseguir chegar ao destino deles. Torci muito pelo final feliz.

A história é fictícia, mas baseada em fatos reais da história. A autora  Veera Hiranandani no final do livro em notas, comenta que se baseou na história do seus avós paternos, do seu pai e irmãos. Eles passaram por isso e por querer saber mais da história deles ela resolveu escrever o livro.

Não poderia deixar de falar da diagramação do livro que está perfeita, a capa está maravilhosa e os cortes do livro é todo decorado com flores. Muito linda esta edição.

É uma história que recomendo para quem gosta de fatores históricos e baseado em acontecimentos reais. Para quem gostou de ler O diário de Anne Franne Frank, este é uma ótima dica.


❤ ❤ ❤ ❤ 

Instagram

© Diário de Incentivo à Leitura – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in