Destaques

Newsletter

04 outubro 2019

Resenha: O Conto da Aia - Margaret Atwood

Oi pessoal, tudo bem com vocês? Hoje vou comentar sobre minha última leitura "O conto da Aia" da autora Margaret Atwood publicado pela editora Rocco.

"O conto da Aia" foi publicado primeiramente em 1985, relançado pela Rocco no Brasil em 2017 com esta nova capa.

Quando o livro foi lançado li diversas resenhas sobre a temática dele e fiquei muito curiosa para lê-lo, mas tinha receio e por isso acabei postergando a leitura. Mas foi somente agora que tive a oportunidade de ler e já adianto que é uma leitura bem intensa.

"O conto da Aia" conta a história de Offred uma mulher de 33 anos que tinha uma vida normal com seu marido e filha até mudar o regime de seu país e as mulheres virarem propriedade do governo. Todas as mulheres que tivessem em um segundo casamento eram consideradas adúlteras, seus filhos eram tirados e entregues para adoção e elas tornavam-se assim Aias.

De uma hora para outra tudo muda. Offred vai usar seu cartão em uma loja e não funciona. Com o passar do dia acaba descobrindo que as mulheres não têm mais direito nenhum. Todo dinheiro que possuem em conta será passado para seu marido e não poderá mais trabalhar. Para completar sua filha lhe é tirada, separada de seu companheiro e é obrigada a tornar-se Aia.

As mulheres são classificadas em: Aias (se vestem de vermelho) que são as que podem engravidar, as não mulheres, as que não podem ter filhos. As Marthas são as que cuidam da casa e fazem a comida. E as tias são as que ensinam tudo para as Aias.

Offrede vai morar na casa do Comandante Frede e sua esposa. Ela deve ter relações com ele até engravidar e depois dar seu filho ao casal. Depois é enviada para outra família, se não conseguir engravidar ela pode ser enviada para as Colonias.

Imagem relacionada
É triste acompanhar a vida desta mulher que foi lhe tirado os direitos de ir e vir, de ler e escrever, se comunicar, trabalhar, sua vida, sua filha e o companheiro. A protagonista tem que viver nesta nova realidade e não tem o que ela possa fazer, e se não cumprir as regras será penalizada.

Apesar de ser um enredo mais pesado, minha leitura foi super rápida porque eu estava muito curiosa para saber o que iria acontecer com ela. A escrita da autora é muito fluida. De início demorei a me acostumar com a estrutura dos parágrafos, pois a protagonista voltava no tempo e contava como tudo tinha começado e isso parece meio misturado no texto. No início eu demorei para entender, mas depois a leitura fluiu.

Li o livro sem saber exatamente o que esperar do final. Torci muito para que algo bom acontecesse, mas o final ficou em aberto. Não gostei muito, mas fica a critério de cada um. Estou bem curiosa para assistir a série, pois na série a história tem uma continuação.

É uma leitura que gera estranheza e um desconforto. É difícil até de falar porque é tudo tão absurdo e triste. Foi uma história que me fez pensar sobre o papel da mulher na sociedade e de como ainda precisamos lutar pelos nossos direitos. 

26 setembro 2019

Resenha: Pequenas Realidades - Tabitha King

Oi meus amores, tudo bem com vocês? Hoje vou comentar sobre a leitura do livro "Pequenas Realidades" da autora Tabitha King publicado pela Darkside.

Estava com grandes expectativas em relação a este livro e muito curiosa pelo enredo. Tabitha King é a esposa de Stephen King, e por conta disso esperava um livro de terror. Mas aqui é muito mais horror do que terror, pois o enredo nos apresenta algo fora do comum e muito curioso.

Pequenas Realidades nos apresenta a história de Dorothy ou Dolly como é chamada. Ela ganhou ainda criança uma casa de bonecas que é a replica da Casa Branca. Dolly é muito rica e seu hobby é colecionar casas de bonecas, miniaturas e claro o maior prazer dela é mobiliá-las. A Casa Branca é a que faz mais sucesso e participa até de exposições em museus.

Roger Tinker é um cara que trabalhou para o governo e um de seus maiores projetos ele levou consigo quando saiu do cargo. Ele tem um miniaturizador, um aparelho que faz miniaturas de tudo que se possa imaginar, de coisas grandes, como por exemplo, de carros. Roger vê uma grande possibilidade com Dorothy e lhe apresenta seu projeto. Os dois juntos formam uma dupla bizarra e coisas estranhas começam acontecer.

Os protagonistas são muito malucos, as coisas que eles fazem são inacreditáveis, chegam a ser cruéis. O miniaturizador chega num ponto que é usado para o mal e daí em diante é show de horrores e crueldade. Acho que o propósito do livro era chocar mesmo, ainda sim eu esperava por um desfecho melhor e um final esperado. No entanto somos surpreendidos por um final que deixa a desejar.

Confesso que minha leitura se arrastou até a metade do livro, estava esperando algo grandioso acontecer, mas do meio pro fim a história deu uma melhorada. O desfecho em si foi previsível, eu meio que já esperava o que fosse acontecer, mas queria muito saber como tudo iria acabar.

De modo geral a história é interessante e instigante, é o tipo de enredo que nos deixa curiosos para saber como a história vai acabar. A leitura em si é mais arrastada, pois a autora faz muitas descrições e às vezes até de coisas desnecessárias.

Indico este livro para quem procura uma história diferente. Como diz no verso do livro "Você nunca mais vai olhar para casinhas de bonecas do mesmo jeito".

21 setembro 2019

Resenha: A Fada Mamãe e Eu - Sophie Kinsella

Oi meus amores, tudo bem com vocês? Hoje venho falar do novo lançamento da autora Sophie Kinsella. Este ano foi lançado no Brazil pela editora Record, mas com o selo Record Junior uma série infantil da autora "A fada Mamãe e Eu".

Claro que eu estava super curiosa para ler. Eu adoro os livros da autora, tenho praticamente todos os livros  dela, amo sua escrita divertida e envolvente.

Antes de mais nada gostaria de comentar sobre a diagramação maravilhosa deste livro. A capa está linda demais e a história é recheada de ilustrações. Ao final do livro encontramos jogos interativos sobre a história, muito legal.

A fada Mamãe e eu é o primeiro livro da série. É uma ficção infantil indicado para crianças a partir dos 9 anos. Li o livro em meia hora, acredito que as crianças vão amar a história, porque além de divertida tem toda essa magia das fadas.

Ella é uma menina que guarda um segredo de família, sua mãe é uma fada, bem como sua avó e sua tia. Ela está na fila para ser fada, mas enquanto não chega a idade para isso, Ella tenta ajudar sua mãe com os feitiços, pois ela é muito atrapalhada e cada vez que faz um feitiço é a maior confusão.

O interessante é que a varinha de feitiços é um celular super moderno e cada vez que a mãe de Ella vai usá-lo ela fecha olhos, e diz "Marshmallow"... e puff, vira a fada mãe. Mas toda vez dá a maior confusão, ela nunca acerta os feitiços e acaba tendo que fazer tudo outra vez.

Resultado de imagem para serie mummy fairy and sophie kinsella
O que mais me chamou atenção na história é que mesmo sendo infantil ele nos transmite uma mensagem importante, pois a mãe de Ella lhe ensina que os feitiços não são para trapacear ou ganhar em torneios. Além disso, a história traz presente que a pressa é inimiga da perfeição e que devemos tratar bem nossos inimigos, mesmo quando eles não são legais com agente.

Como vocês podem ver o livro é muito fofo e mesmo sendo infantil nos traz muitas lições. É uma leitura bem gostosinha de se fazer, uma leitura rápida e um enredo encantador. É um livro que com certeza vai chamar atenção das crianças. Indico muito a leitura da série.

No Brasil acho que só foi lançado o primeiro livro, mas encontrei na internet outros livros da série, não vejo a hora de ler todos, são muito fofos.  

Mummy Fairy and MeMummy Fairy and Me: Mermaid MagicMummy fairy and me: fairy-in-waitin

Instagram

© Diário de Incentivo à Leitura – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in